quinta-feira, 30 de junho de 2011

Éramos Dois...

Faz tempo que eu quero escrever sobre as mudanças na vida do casal depois da chegada dos filhos, pois quem já passou por isso sabe bem o que estou falando, e quem ainda vai passar eu sugiro que se prepare psicologicamente pois vem chumbo grosso por aí.
Eu confesso que mesmo morando na mesma casa por muitas vezes me surpreendo sentindo saudades do meu marido, pois nos vemos engolidos na rotina e nos cuidados com as crianças e quase nunca têm sobrado tempo para nós dois.
Antes dos filhos chegarem  eu e marido vivíamos um para o outro, decidiamos os programas que fariámos de acordo apenas com nossas vontades, dormíamos até mais tarde nos fins de semana, iamos ao cinema com uma certa regularidade, jantávamos besteiras com frequência, tinhamos uma vida sexual ativa, gastavámos todo o dinheiro com nós dois, conversávamos muito mais e divergiamos de opiniões muito menos.
Depois que os filhos chegam, a vida dá uma guinada de 360 graus e muita coisa muda. O casal (principalmente a mulher) assume seu instinto natural de leoa e se volta para o filho, fazendo com que muitos homens sintam-se deixados de lado e por vezes até enciumados com a falta de atenção da esposa. Os programas de familia passam a ser cuidadosamente planejados, pois lugares sem estrutura para crianças já são descartados de cara, seu horário de dormir e de acordar quem determina é o filho, as pizzas e lanches entram cada vez menos em casa, pois agora temos que dar o exemplo e comer coisas saudáveis junto com eles, cinema? sinceramente não me lembro o último filme de adulto que assisti, sexo? geralmente quando deitamos na cama já estamos tão exaustos que só pensamos em dormir.
É triste mas há pesquisas comprovando um grande indíce de divórcios após a chegada dos filhos, pois muitos casais não tem estrutura psicólogica para lidar com a pressão e com as mudanças que afetam a vida do casal. Os recém nascidos, principalmente, exigem muitos cuidados dos pais, que tendem a diminuir suas horas de sono e me digam quem consegue ser bem humorado e dócil tendo dormido 5 horas por noite? Eu lembro de ter ficado muito irritada pelas noites mal dormidas quando o Arthur nasceu, minha sensibilidade estava a flor da pele e qualquer palavra atravessada era suficiente para me colocar em prantos.
Meu marido teve muita paciência, secou minhas lágrimas por diversas vezes e repetiu sem cessar que tudo ia ficar bem, que era só uma fase, graças a Deus ele estava certo, tudo tende a ir melhorando mesmo. No entanto, muitas vezes vamos sentir saudades daquele tempo em que as coisas eram menos trabalhosas, porém quando o casal realmente se ama consegue superar essas dificuldades e até se unir mais. Para isso é preciso uma dose extra de paciência, cumplicidade, apoio mútuo, compreensão com as necessidades do outro e uma imensa vontade de fazer aquilo dar certo.
Hoje quando eu olho para o meu marido junto com as crianças é como se eu o amasse ainda mais, por ele ter me dado essa familia linda da qual eu tanto me orgulho...
E sabem o que é o mais louco de tudo isso? perguntem para qualquer casal se eles acham que a vida era mais leve e fácil antes dos filhos, e se forem realmente sinceros na resposta tenho certeza que responderão que SIM.  Mas, em seguida perguntem se eles preferiam não terem tido os filhos, e  tenho certeza que a resposta será um sonoro: NÃO.
Afinal, filhos são essas pessoas, que colocam a vida do casal de cabeça para o ar, mas que depois que os temos em nossos braços nunca mais imaginamos ou admitimos viver sem.

11 comentários:

  1. Que linda sua frase final... adorei
    E o texto é perfeito...
    Agora esperando minha segunda princesa me pergunto se vamos entrar nessa crise novamente e me da um medo enorme...
    Mas ha de ser uma fase e vai passar. Deus queira que sim.

    Bjos grandes e ótimo finalzinho de mes.

    ResponderExcluir
  2. Realmente é assim mesmo que as coisas funcionam! Maas tudo vale a pena por essas fofuras tão maravilhosas que são os filhos :)

    ResponderExcluir
  3. Tudooooooooooooooooo o q eu sinto realmente... perfeito parabens Cin, mais uma vez arrazou na sua postagem

    ResponderExcluir
  4. É verdade...se não temos uma base emocional boa tudo fica ainda pior...
    Por aqui nao é diferente, mas o maridão ajuda bastante...
    beijos

    ResponderExcluir

  5. Dá medo mesmo, mas lembre-se sempre que tudo são fases e se vcs ja superararm isso uma vez já sabem o caminho para afzer de novo. Bjos e boa sorte!

    Renata
    E como vale...Bjão!

    GabiMuito obrigada querida, bom saber que vc se identifica com meus textos. Bjão!
    Assina assim...sem testemunhas? rs

    Larissa
    Muito obrigada querida, bom saber que vc se identifica com meus textos. Bjão!

    Evelyn
    Muito obrigada querida, bom saber que vc se identifica com meus textos. Bjão! (2)

    Natália
    Base emocional é tudo. Ainda bem que nossos maridos colaboram. Bjão!

    ResponderExcluir
  6. Cin,

    O seu texto é simultaneamente ensurdecedor e esclarecedor.
    Eu sou um pai-avô. Nossa pequena Julia, chegará dentro de 10 semanas (se ela não for antecipar).
    A relação a dois não é fácil só, e com filhos ela tende a melhorar... mas sempre depende da cabeça dos pais.
    Todo casal que ler seu texto irá se identificar. Com ou sem filhos, não importa. A sinceridade e clareza de suas palavras transmitem o padrão de comportamento. A dose de respeito e medo será o fiel da balança entre o sabor da conquista ou a dor da separação.
    Parabéns por seu post, em um momento muito oportuno de minha vida e de minha esposa.
    Tento procurar dar o máximo de atenção possível e ela tb. Mas a rotina de responsabilidades diárias nos consomem e fazemos o possíve para escapar. Com a chegada do nosso Mimo, será mais intenso.
    Recentemente fiz algo que magoou demais minha esposa, justamente num momento onde faltou o meu respeito. Ela ajudou a contornar a situação difícil que criei.
    Tive vontade de dar este relato para que, pretenciosamente (mesmo), seja exemplo de suas ricas palavras.
    Mais uma vez, parabéns pelo rico intuito de esclarecer e preparar o caminho de pessoas que querem (ou definitivamente) não querem viver esta esperiência irremediavelmente irreparável de lindas criaturinhas em nossas vidas.
    Um beijo e boa sorte com a Letícia e Arthur.

    Luiz Peralta

    ResponderExcluir
  7. Luiz
    Agradeço sua visita e também por compartilhar sua experiência, que sem dúvida serviu para complementar e enriquecer minha postagem com uma visão masculina sobre o tema tratado.
    Parabéns por se esforçar em dar atenção à sua esposa mesmo com a rotina e as responsabilidades que tanto nos roubam o tempo.
    Tenho certeza que a pequena Júlia terá muita sorte em tê-lo como pai.
    Beijos e tudo de bom para vc e a familia que está aumentando.

    ResponderExcluir
  8. Cin, adorei seu post! Fez-me lembrar da blogagem coletiva Maternidade Real... falei exatamente sobre isso! Aqui a casa balançou e balançou, mas agora anda mais firme... e como é gostoso sentir essa base forte!
    Beijos
    Fabiana
    http://2-ao-quadrado.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Fabi fiquei curiosa e fui atrás do texto da blogagem coletiva, gostei muito da forma que vc abordou o tema, pensamos bem parecido. Bjosss

    ResponderExcluir

Vou adorar saber sua opinião sobre esse assunto!

Disqus for maenual




eXTReMe Tracker